Quanto custa para se tornar um corretor de seguros?

Quanto custa para se tornar um corretor de seguros?

Para se tornar um corretor de seguros, é necessário ser habilitado pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), órgão que regula o mercado no país. A formação de corretor de seguros tem como principal meio a Escola Nacional de Seguros (Funenseg), que disponibiliza o curso de capacitação em 13 módulos. Em média, esta formação tem custo de R$ 4.000 e exige grande dedicação.

Custos iniciais do corretor de seguros

De acordo com o Sebrae, após o registro de corretor de seguros na Susep, existem vários custos que devem ser considerados para o exercício da profissão.

O primeiro passo é ter uma estrutura física própria para desenvolver o trabalho e receber clientes, como uma sala comercial de aproximadamente 40m². Segundo a consultoria, a adaptação do escritório com pinturas, reformas e instalações deve custar, em média, mais R$ 6.500.

Equipamentos e materiais que darão suporte também devem ser considerados.

Veja a lista de materiais sugerida pelo Sebrae:

  • Armários, prateleiras, arquivos – R$ 2.800
  • Cadeiras com rodízio (seis) – R$ 1.250
  • Central telefônica que dê possibilidade de expansão – R$ 1.150
  • Fax e aparelhos telefônicos – R$ 1.100
  • Impressora – R$ 400
  • Mesas de trabalho e reunião – R$ 2.800
  • Computador – R$ 1.500
  • Notebook – R$ 2.100
  • Poltrona para espera – R$ 1.400

Taxas e custos fixos

Para o funcionamento de sua empresa será necessário registro e pagamento de taxas. Este valor deve chegar a R$ 5.000. O Sebrae orienta, ainda, que o corretor tenha um capital de giro de aproximadamente R$ 15.000 para arcar com os custos fixos, como aluguel, luz, água, condomínio e conta de telefone.

Confira a estimativa de alguns destes custos fixos:

  • Telefone e acesso à internet - R$ 1.250
  • Aluguel e taxas - R$ 1.200
  • Assessoria contábil - R$ 510
  • Manutenção corretiva e limpeza – R$ 450
  • Divulgação e publicidade – R$ 400
  • Deslocamentos – R$ 850

Com todos os itens listados acima, a média total de custos iniciais chega a R$ 50.000, divididos entre:

  • Instalações e equipamentos iniciais - R$ 21.000
  • Capital de giro e registro da empresa – R$ 20.000
  • Custos fixos (mensal) – R$4.660
  • Formação de corretor e habilitação – R$ 4.500

Mas essa não é a única opção para quem pensa em começar a carreira de corretor de seguros.

Outra opção de investimentos

Investir R$ 50.000 não é a única opção para quem pensa em direcionar a carreira para a profissão de corretor de seguros. A Mongeral Aegon é a seguradora pioneira na formação de corretores de seguros de vida e previdência através de cursos elaborados pela sua Universidade Corporativa em parceria com a Funenseg e subsidiados pela empresa. Podem fazer parte das suas turmas pessoas pré-selecionadas e que estejam dispostas a investir seu tempo e esforço, em troca do curso e do preparo para ser um profissional apto a conquistar a habilitação na Susep.

Além da formação, a companhia também dispõe de estrutura física em todo Brasil. Suas mais de 60 unidades dispõem de ambientes chamados salões de venda, onde todos os corretores parceiros podem frequentar como sendo seus escritórios, com pontos de acesso à internet, computadores e telefonia.

Destaque-se sendo um corretor

O maior diferencial da empresa é dispor também de gerentes comerciais aptos a apoiar os corretores no início de suas atuações, atuando-os com coaching, acompanhando nas primeiras visitas, orientando o corretor a iniciar neste mercado. O corretor de seguros que decide ser parceiro da Mongeral Aegon conta também com uma central de atendimento exclusiva e um portal de serviços onde tem acesso completo à sua carteira de clientes.

O programa é oferecido pela empresa há mais de uma década e já formou mais de 2.000 profissionais em todo Brasil. Veja aqui como ingressar nas turmas oferecidas pela empresa.

  • Publicado

    10 de setembro de 2015

  • Categoria

    Carreira