Aposentadoria para trabalhadores do lar: confira os resultados da Pesquisa Aegon

Aposentadoria para trabalhadores do lar: confira os resultados da Pesquisa Aegon

O grupo Aegon realizou um estudo inédito em 15 países para identificar os desafios da aposentadoria para trabalhadores do lar. O resultado mostra que, no Brasil, apenas 11% dos entrevistados têm uma estratégia formal de poupar para chegar nesse momento da vida com recursos financeiros.

O cenário no país, no entanto, é pessimista: a pesquisa mostra que 55% não estão confiantes que terão um estilo de vida financeiramente confortável.

O perfil dos trabalhadores do lar no Brasil

O estudo traçou o perfil dos trabalhadores do lar no Brasil. A maioria (74%) é composta por pessoas casadas, em união estável ou que moram juntos. Jovens entre 18 e 34 anos somam 38% e 63% têm um ou mais filhos dependentes financeiramente

Os números revelam que os trabalhadores do lar precisam se preocupar mais com planejamento financeiro para o futuro. "É equivocado achar que apenas as pessoas que trabalham no mercado profissional precisam se planejar para a aposentadoria e a longevidade. Todos precisam ter um plano, especialmente as mulheres, que são maioria no estudo e que estão expostas a riscos, como a perda prematura do parceiro ou cônjuge. Situações como estas podem ser devastadoras, tanto emocionalmente quanto financeiramente”, explica Leandro Palmeira, superintendente da Mongeral Aegon e membro do núcleo da pesquisa no Brasil.

Conforto financeiro na aposentadoria

De acordo com os resultados, 59% dos trabalhadores do lar no país não estão confiantes de que terão um estilo de vida financeiramente confortável na aposentadoria. A média nacional de pessimistas é maior do que a mundial, cujo resultado foi de 48%. No Brasil, apenas 12% responderam dizendo estar confiantes.

No Brasil, 53% dos pesquisados associaram a fase da aposentadoria a palavras positivas. Outros 51% a negativas, como cansaço e doença. 65% dos entrevistados informaram que vão depender da renda do cônjuge ou companheiro na aposentadoria.

Como o seguro de vida e a previdência podem ajudar a conquista-lo?

No caso da morte do provedor financeiro, a renda familiar fica muito comprometida. A pesquisa aponta que a renda da aposentadoria para os trabalhadores do lar representa 17% do total da família. Um seguro com cobertura para esse momento protege financeiramente a família, além de ser inalienável e de liquidez imediata, ou seja, não entra em inventário.

Ninguém está livre de ficar impedido de trabalhar, seja temporariamente, seja permanentemente. O seguro de vida também oferece alternativas capazes de proteger as pessoas em caso de incapacidade de gerar renda.

Outra solução a ser estudada é o plano de previdência. É preciso calcular o custo de vida que se tem hoje, projetá-lo para o futuro e ver se a previdência pública será suficiente para manter o conforto financeiro desejado. Muito provavelmente a resposta será negativa e indicará a necessidade de começar já a agir.

Leia também: Pesquisa Aegon sobre previdência revela potencial no Brasil

O corretor de seguros de vida e previdência é o profissional capacitado para realizar essa consultoria personalizada para as pessoas e apresentar as melhores soluções, de acordo com as necessidades de cada família.

  • Publicado

    09 de novembro de 2015

  • Categoria

    Mercado